Aderir à ALIC

Junte-se à nossa equipa de profissionais!

Contacte-nos

Inscrição

Para se inscrever na ALIC descarregue o ficheiro de inscrição e envie um e-mail com as suas informações.

Que caraterísticas procuramos num intérprete de conferência?

Leia abaixo os príncipios pelos quais se regem os nossos intérpretes.

hardskills

Hard Skills

Além da formação de base, a qual pode não ser exclusivamente linguística, o intérprete deve ter formação específica nas línguas estrangeiras em que quer trabalhar.

O intérprete precisa de dominar perfeitamente dois ou mais idiomas e de ter a capacidade cerebral rara de pensar em mais do que uma língua. Deve ainda possuir uma grande bagagem de cultura geral, pois terá de trabalhar em diversos temas, de diferentes graus de dificuldade.

O bom intérprete deve ser uma pessoa sempre atenta a questões da atualidade política, nacional e internacional e dominá-las na sua generalidade.

A eloquência, a dicção correta e uma voz segura, sem hesitações, clara e agradável são extremamente importantes, bem como o domínio correto das línguas puras e não dos seus dialetos ou sotaques.

A boa memória é essencial a um bom intérprete, já que muitas vezes tem de estudar terminologia extensa antes dos trabalhos, tal como se de matéria para um exame se tratasse.

 

softskills1

Soft skills

Educação, apresentação, modéstia e lealdade

O intérprete deve possuir uma natureza afável e sociável, deve ser educado e atento e um bom "jogador de equipa" dentro da cabina e alguém discreto e prestável fora dela. Embora possuidor de um dom raro, não deve dar-se ares de diva que o tornem incomodativo e inacessível aos seus colegas, clientes e ouvintes. Também não deve querer tornar-se superior em desempenho ao seu colega de cabina, tendo a perfeita noção em todos os momentos de que é apenas uma peça na engrenagem e não o ator principal.

O intérprete deve apresentar-se sempre bem vestido, embora sem excessos, ser extremamente pontual, de preferência comparecer nos trabalhos entre meia hora a 45 minutos antes do solicitado.

Nunca o intérprete deve tentar de algum modo que os clientes o contratem diretamente se estiver a trabalhar para um intermediário, excusando-se a dar qualquer contacto direto e remetendo sempre quaisquer abordagens nesse sentido para a entidade que o contratou.

 

© ALIC - Associação Lusófona dos Interpretes da Conferência, 2017